terça-feira, 3 de novembro de 2009

Expansão Marítima

EXPANSÃO MARÍTIMA

"Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas foi nele que espelhou o céu"


Fernando Pessoa

Caravela portuguesa


ANTECEDENTES


Expansão Marítima Comercial aconteceu entre o final do século XV e início do século XVI. Fruto das transformações acontecidas na Baixa Idade Média a expansão teve como antecedentes
. Renascimento Comercial
. Formação do Estado Absolutista
. Cruzadas.

Os burgueses


O Renascimento Comercial esta na origem das transformações que levaram a Expansão Marítima:
. Introdução de novas técnicas agrícolas;
. Crescimento populacional;
. Formação do excedente agrícola;
. Surgimento das Feiras;
. Renascimento Urbano;
. Monetarização da economia;
. Surgimento da burguesia;
. Formação do Estado Absolutista;
. Cruzadas/Reabertura do Mediterrâneo.


O Renascimento Comercial foi uma mudança de mentalidade. O comércio passa a ser a base da economia e o desejo de lucro o objetivo principal. Foi esse desejo de lucro que impulsionou a Expansão Marítima.








O Estado Absolutista surge da aliança entre o rei a nobreza com o objetivo de se adaptar as novas condições da sociedade mercantil. O Rei centraliza o poder para favorecer o comércio e arrecadar mais impostos. Junto com o absolutismo surge o Mercantilismo que definia o conjunto de prática que o Estado deveria seguir:
. Balança comercial favorável.
. Protecionismo alfandegário.
. Metalismo.

O Estado Nacional foi responsável por organizar os recursos necessários para que fosse possível a realização da Expansão Marítima. O grande objetivo era obter as especiarias com grande margem de lucro e buscar novas reservas de ouro.


Os cruzados


As Cruzadas foram as guerras santas que aconteceram a partir do século XI com o objetivo de conquistar a terra santa – Jerusalém. Mesmo sendo derrotados os cristãos conseguiram o recuo dos muçulmanos e a reabertura do Mediterrâneo que passou a ser navegável novamente para os europeus a partir das Cruzadas.
Além de possibilitarem a reabertura do Mediterrâneo para os europeus as cruzadas foram responsáveis pela introdução das especiarias na economia européia. Os temperos passaram a ser fundamentais para a conservação dos alimentos e na dieta dos europeus.

OS OBJETIVOS DA EXPANSÃO MARÍTIMA


As rotas das expeciarias.

A partir do Renascimento Comercial criaram-se as condições que levariam a Expansão Marítima e a descoberta e conquista do Novo Mundo. Em meio as lendas de abismos eternos e monstros os navegadores jogaram-se ao mar “tenebroso” buscando lucro e riqueza. De fato, a expansão buscava solucionar alguns problemas gerados pelo Renascimento Comercial:
. Quebrar o monopólio das cidades italianas;
. Ampliar as rotas comerciais;
. Procurar novas reservas de ouro.

O mar tenebroso

AS CONDIÇÕES

Com a organização do Estado Absolutista e o financiamento da burguesia criaram-se as condições necessárias para que fossem feitas as grandes navegações. Mas ainda assim foi necessário um grande avanço tecnológico com acúmulo de conhecimento:
. Caravelas: houve o aperfeiçoamento no processo de construção das caravelas.
. Bússola: a bússola passou a ser utilizada como instrumento de localização.
. Astrolábio: instrumento fundamental para a localização e posicionamento.
. Cartas Marítimas: os mapas eram fundamentais para os navegantes .



Bússola


PIONEIRISMO PORTUGUÊS

Escola de Sagres


Portugal foi pioneiro na Expansão Marítima pois soube se utilizar das suas condições naturais e construiu as condições materiais que possibilitaram as viagens marítimas. Os fatores que colaboraram com o pioneirismo português foram: Estado Absolutista fortemente centralizado e organizado; presença de uma rica burguesia ligada ao comércio marítimo; Vocação para navegação devido a sua localização; formação da Escola de Sagres que possibilitou um acumulo de conhecimento.



AS NAVEGAÇÕES PORTUGUESAS

A estratégia adota pelos portugueses foi a de circunavegação da África. A idéia era contornar a África, seguindo pela costa e atravessando o Atlântico, para chegar até o Índico. Os portugueses encontraram um sistema de ventos e de marés que favoreceram as suas viagens.


Sistema de ventos que favoreceram os portugueses


Cronologia da expansão portuguesa:

1413: Fundação da Escola de Sagres por infante dom Henrique.
1434: Passagem pelo Cabo do Bojador.
1435: Chegada à Costa do Ouro.
1444: Chegada a Cabo Verde.
1446: Chegada à Guiné Bissau.
1471: Chega a São Tomé e Príncipe.
1482: Diogo Cão chega ao rio Zaire.
1487: Bartolomeu Dias ultrapassa o cabo da Boa Esperança.
1497: expedição de Vasco da Gama parte de Lisboa.
1498: Vasco da Gama volta de Calicute da índia.
1500: Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil.

AS NEVEGAÇÕES ESPANHOLAS

Cristóvão Colombo

Após a expulsão dos árabes de seu território em 1492, os reis espanhóis Isabel e Fernando conseguiram unificar a Espanha e investiram nas navegações. Mesmo sem muita experiência a Espanha passou a financiar expedições de navegadores estrangeiros.

1492: chegada de Cristóvão Colombo à América.
1504: expedição de Américo Vespúcio
1519: Fernão de Magalhães chega até o extremo sul da América.


TRATADO DE TORDESILHAS


Tratado de Tordesilhas


Os pioneiros na Expansão Marítima foram os países ibéricos. Criadas as condições Portugal e Espanha estabeleceram as estratégias para chegar até as Índias. Essas estratégias foram consolidadas com a formalização do Tratado de Tordesilhas em 07/06/1494. Com a mediação do Papa os dois países dividiram o Novo Mundo estabelcendo uma linha imaginária. ficando as terras a leste para a coroa portuguesa e a oeste para o reino da Espanha.

2 comentários: